Postado Por : Caio Nascimento 12.6.14

Ahá! Aposto que você chegou aqui depois de ler o título e pensar "isso deve ser mais um daqueles textos de blogueiro revoltado", não é? Se foi isso, desculpe amigo, mas não há tempo a perder (vish!), a Copa do Mundo é um torneio muito importante para não ser abordado por aqui.

Aqui você encontrará todas as seleções divididas em pedaços de informações. Nada de textos de 40 linhas cada, afinal as emissoras de televisão e grandes portais já estão fazendo isso há muito tempo.

Se a Copa do Mundo é tão importante assim, por que faze-la em pedaços? Ser minimalista em certas ocasiões é mais suntuoso do que gastar bilhões em algo que ninguém vai usar depois. Curiosidades, dados, apostas, histórico e informações extras estará ao seu dispor durante todo esse mês sobre todas as seleções que disputarão a Copa. Aproveite!


Grupo A











Jogador-chave: Neymar. Está mais do que óbvio que o futuro da seleção brasileira passa pelos pés de Neymar. O craque do Barcelona, que viveu uma temporada irregular desde que chegou ao clube Catalão, terá a responsabilidade de desafogar o sistema pragmático do Felipão.

Preocupação: Julio César. O goleiro de confiança do Felipão foi o responsável direto pela eliminação da seleção contra a Holanda em 2010, quando falhou nos dois gols de Sneijder. Julio César ficou muito tempo parado até acertar com o Toronto, que disputa a MLS (liga de futebol americana), e por mais que ele tenha sido um grande goleiro no passado, o hiato que ele teve durante o período de brigas no Queens Park Rangers até acertar com o Toronto pode ser prejudicial. Julio tem um histórico muito vencedor e de defesas memoráveis, mas será que esse hiato pode ser prejudicial? Esperamos que não.

Aposta: William. O meio-campista, que saiu muito cedo do Brasil para defender o Shakhtar na gélida Ucrânia, desenvolveu sua carreira inteira na Europa. Por ter disputado competições europeias, como a Champions League, por exemplo, William adquiriu estofo e revelou ser um jogador cuja seleção sente falta: um armador de jogadas. William é extremamente inteligente na parte tática, que ficou bem nítido nessa temporada pelo Chelsea.

Ficaram de fora: Diego Alves, Miranda, Filipe Luís e Philippe Coutinho. Apesar do Felipão ter garantido Julio César na Copa, a ausência de Diego Alves na convocação é difícil de entender. Desde que o goleiro saiu do Atlético-MG, em 2007, rumo ao Almería, onde se destacou antes de se transferir para o Valencia. Desde então, Diego Alves é uma constante na lista dos melhores em sua posição na liga espanhola. Já o que aconteceu com o Miranda é completamente inexplicável. O excelente zagueiro do Atlético de Madrid fora completamente esquecido pelo Felipão, que apenas em seu mundo vê vantagem em levar o limitado Henrique no seu lugar. A impenetrável zaga montada por Simeone era fundamentada no Miranda, que deve atuar por um gigante europeu. O seu companheiro de sistema defensivo, Filipe Luís, cuja temporada fora de igual qualidade, foi preterido em vista do Maxwell, que mal sabe cruzar uma bola. Filipe Luís, além de ter aprendido a marcar, tem muita qualidade no apoio. E SABE CRUZAR. Outro jogador que foi completamente esquecido por Felipão devido ao apego do treinador por outro jogador é o Philippe Coutinho, ex-Vasco e a
tualmente no Liverpool. Muito do que os Reds fizeram nessa grande temporada pela Premier League passou pelos pés do criativo meia brasileiro, que sequer teve uma chance num amistoso qualquer.

Curiosidades:
- Apesar de ser recordista em participações, o Brasil também é recordista em eliminações nas quartas-de-final. Curiosamente, nas últimas duas edições a seleção que venceu o Brasil nas quartas acabou ficando com o vice-campeonato.
- O Brasil vai enfrentar, logo na primeira fase, dois inimigos de casa. Eduardo da Silva e Sammir, convocados por Niko Kovac, podem enfrentar o Brasil na estréia. Se passar para as oitavas-de-final, o Brasil pode enfrentar Diego Costa caso a Espanha fique em segundo, ou o Brasil em segundo e a Espanha em primeiro. Se o Brasil passar para as quartas-de-final, um velho conhecido pode esbarrar em seu caminho: Thiago Motta, que defenderá a Itália. Nas semi-finais, Brasil e Portugal podem se enfrentar, e com isso Pepe deve ficar no caminho brasileiro.
- O Brasil só foi eliminado duas vezes na fase de grupos: a primeira eliminação foi na primeira Copa, em 1930. Já a segunda aconteceu em 1966, quando ficou em TERCEIRO.
- O Brasil foi o primeiro país a ser campeão do mundo com a bola branca.












Jogador-chave: Modric. O craque do Real Madrid é a grande esperança de um país que é mestre em revelar meias clássicos, cujo principal predicado é a visão de jogo. Modric tornou-se numa das principais peças do atual campeão europeu e, hoje, carrega a responsabilidade de armar um ataque muito interessante e rápido. Além da visão de jogo, Luka Modric chuta muito bem de fora-da-área e busca o jogo nos pés dos zagueiros.

Preocupação: lado esquerdo da defesa. Stranic, que fora cortado antes da Croácia desembarcar no Brasil, era o titular da lateral-esquerda. Porém, devido à contusão de Stranic, sobrou para Pranjic (ex-Bayern de Munique) a responsabilidade de guardar o lado esquerdo. No entanto, o polivalente jogador croata se machucou num amistoso contra a Austrália e agora corre risco de ser cortado.

Aposta: Mateo Kovacic. Jovem e cheio de potencial. A Croácia segue produzindo ótimos meias para o mercado europeu! A aposta da vez é o jovem meia da Inter de Milão, Mateo Kovacic, que briga por uma vaga num time que já tem Modric, Perisic e Rakitic. A sorte de Mateo é que, além de muito habilidoso, ele sabe jogar como cabeça-de-área, estilo o Pirlo nos tempos de Milan. Kovacic deve ter poucas chances de ser titular nessa Copa devido à grande concorrência, mas as oportunidades devem surgir em jogos que exijam mais criatividade por parte dos croatas.

Ficaram de fora: Milan Badelj e Mladen Petric. É difícil dizer que Niko Kovac cometeu algum tipo de injustiça com alguém na convocação croata, mesmo tendo montado um meio-campo forte e criativo. Badelj, volante do Hamburgo, era uma constante nas convocações de Kovac, que também preteriu o experiente Petric, do Panathinaikos, atacante de força e presença de área. São dois jogadores experientes que ficaram de fora da lista final, mas que poderiam entrar nos lugares de Sammir (brasileiro naturalizado croata) e Olic.

Retrospecto:
- Terceiro colocado em 1998
- Terceiro colocado do Grupo C, em 2002
- Terceiro colocado do Grupo F, em 2006
- Não disputou a Copa do Mundo de 2010

Curiosidades:
- Mario Mandzukic, atacante do Bayern e estrela da Croácia, é especialista em instalação de pisos e azulejos.
- Rakitic, meia do Sevilla, é proprietário de um clube suíço da quinta divisão.
- A seleção croata possui apenas três jogadores que atuam no futebol doméstico: Oliver Zelenika (NK Lokomotiva), Marcelo Brozovic (Dinamo Zagreb) e Ivan Mocinic (HNK Rijeka).
- Dos 23 convocados por Niko Kovac, ao todo 4 jogam no futebol ucraniano: Darijo Srna e Eduardo da Silva (Shakhtar Donestk), Domagoj Vida e Ognjen Vukojevic (Dinamo Kiev).
-Sammir, brasileiro naturalizado croata, foi campeão da Copa do Brasil com o Paulista, em 2005.














Jogador-chave: Samuel Eto'o. Apesar da idade, 33 anos, Samuel Eto'o ainda é um dos grandes nomes de todo continente africano no futebol. Em uma boa temporada pelo Chelsea, Eto'o vem forte para liderar os Leões Indomáveis em busca de uma classificação para a próxima fase da Copa. A chave é um tanto ingrata, mas, se depender de Eto'o e o seu faro de gol a seleção camaronesa tem chances reais de fazer história. O problema é a personalidade do atacante, que já causou mau-estar durante as eliminatórias porque não gostava do chefe da federação.

Preocupação: meio-campo. O problema bem que poderia ser a cabeça dos jogadores camaroneses depois de brigaram tempo por mais dinheiro da federação para jogar a Copa do Mundo. No entanto, dentro de campo também falta cabeça aos Leões Indomáveis, porque o meio-campo camaronês é bem pobre na criação de jogadas. O grande truque dos africanos é o rapidíssimo contra-ataque leonino.

Aposta: Fabrice Olinga. O veloz atacante do Málaga, e que esteve emprestado ao Zulte (Bélgica), é considerado o "novo Eto'o" em sua terra natal. Olinga, que já disputou um Campeonato Espanhol e uma Liga dos Campeões pelo Málaga, com apenas 17 anos, fora emprestado ao Zulte para pegar mais experiência numa liga que não exigiria muita força física do menino. Olinga, além de rápido, tem faro de gol e deve ganhar boas chances durante a competição.

Ficou de fora: Franck Bagnack. O jovem lateral-direito Culé é a grande surpresa que ficou de fora da lista de Volker Finke. Apesar de muito jovem, Bagnack é tratado como grande esperança no Barcelona, que vencera a Liga dos Campeões Sub-21 de 2014 contra o Benfica. Além de Bagnack, que chegou a disputar alguns jogos pela seleção, existem outros dois conterrâneos que são tratados como joias no Barcelona: Wilfrid Kaptoum (meia) e Jean-Marie Dongou (atacante).

Curiosidades:
- Vincent Aboubakar, uma das esperanças do ataque camaronês, bateu o recorde nomeações ao prêmio Mar-Vivien Foé, que é concedido ao melhor jogador africano na Ligue One, da França.
- O Málaga é o único clube com dois jogadores nessa convocação de Camarões, Kameni e Olinga. O resto é tudo um jogador por clube.
- Camarões vai para sua sexta Copa do Mundo, sendo que das outras cinco edições os Leões só conseguiram se classificar para a segunda fase em uma ocasião: em 1990, na Itália, quando chegou às quartas-de-final.
- Fabrice Olinga é o jogador mais novo da Copa.













Jogador-chave: Javier Hernandez. Apesar de ter feito uma temporada trágica pelo Manchester United, onde pouco jogou, Chicharito é o nome mais famoso dessa renovada seleção mexicana. A Tri vai precisar muito dos seus gols, já que está em um grupo muito perigoso. Chicharito é notabilizado pelo seu oportunismo e posicionamento.

Preocupação: criação de jogadas. Luis Montes, que fora cortado por Miguel Herrera devido uma lesão durante um amistoso, era o principal, se não o único, jogador que pensava o jogo para o México. Giovani dos Santos, ou Marco Fabián, serão os responsáveis pela armação das jogadas apesar de ambos serem jogadores de beirada.

Aposta: Diego Reyes. A nova promessa mexicana para substituir o ídolo Rafael Marques terá uma oportunidade ímpar para crescer no futebol. Diego Reyes é jogador do Porto, e desde as categorias de base é tido como o futuro capitão da seleção mexicana. Reyes, inclusive, era o xerifão mexicano na final das Olimpíadas de 2012.

Ficaram de fora: Carlos Vela e Aldo De Nigris. O excelente atacante da Real Sociedad ficou de fora dessa Copa por opção. Vela desistiu várias vezes de defender o seu país até se pronunciar sobre o assunto. Segundo Miguel Herrera, Carlos Vela pediu para não ser convocado porque não se sente mentalmente e espiritualmente pronto para defender a Tri no torneio mais importante do mundo. Aldo de Nigris está de fora por causa das suas constantes lesões e idade.

Curiosidades:
- Em 1930, o México tinha dois irmãos jogando como titulares no mesmo setor. Rafael e Francisco Garza Gutiérrez formavam a dupla de zaga mexicana.
- Contando com 2014, o México caiu QUATRO vezes no mesmo grupo que o Brasil (1950, 1954 e 1962). E nas três vezes anteriores o México falhou em classificar-se para a próxima fase, sendo que em 1950 e 1954 a Tri ficou em último lugar com nenhum ponto.
- Peralta, atacante do Santos Laguna, é um exímio tocador de saxofone.
- Em 2006, Zinha, brasileiro naturalizado mexicano, tornou-se o primeiro estrangeiro a defender a seleção do México.
- Chicharito Hernandez é sobrinho de Luis Hernandez, atacante que fora ídolo do México nas Copas de 1998 e 2002.
- Nas Olimpíadas de 2012, o México derrotou o Brasil na final por 2x1. Dos jogadores que foram relacionados para aquela partida, 10 deles estarão presentes nesta Copa. Jesus Corona, Diego Reyes, Carlos Salcido, Hector Herrera, Javier Aquino, Marco Fabian, Oribe Peralta, Miguel Ponce, Giovani dos Santos e Raul Jimenez estavam relacionadas para aquela partida.
- Dia 23/6 será um dia importante para Giovani dos Santos. Além de ser o último jogo do grupo, contra a Croácia, dos Santos terá a oportunidade de jogar pela primeira vez no estado onde o seu pai, Zizinho (ex-São Paulo), nasceu.
- O México participou de 14 Copas do Mundo e ela só foi conseguir se classificar para a segunda fase em 1970.
- O México fora eliminado sem pontuar e sem mudar de grupo (caiu no Grupo A) em suas três primeiras Copas.
- A Tri possui o recorde de ter sido eliminada CINCO vezes seguidas nas oitavas-de-final desde 1994, quando perdeu para a Bulgária.



Grupo B



Jogador-chave: Iniesta. Daqui a alguns anos, Andrés Iniesta será o grande nome da história do futebol espanhol. Pouco se viu um meio-campista tão técnico, tão inteligente e tão participativo na história do futebol, parece até que o Iniesta foi sequestrado dos anos 60 e colocado em nosso tempo. É bem verdade que o meio-campista do Barça não está em sua melhor fase, mas, apesar desse contratempo físico, o orquestrador da Fúria deve ditar a regra nesse Mundial.

Preocupação: laterais que não marcam. Apesar da grande preocupação dos espanhóis ser a condição física de seus principais jogadores de meio-campo (Xavi e Iniesta), existe um buraco no sistema espanhol que causa calafrios em Vicente del Bosque. Tanto Juanfran quanto Jordi Alba (que devem ser os titulares) possuem um grave problema de marcação. O lateral-direito do Atlético de Madrid é especialista em cruzamentos e pouco se recorda de marcar. Já o Jordi Alba, que começou como meia-esquerda, possui claras deficiências na marcação. O excelente lateral-esquerdo Culé costuma resolver em jogadas pela beirada, mas o problema é a avenida que ele costuma deixar atrás.

Aposta: Koke. Poderia ser Diego Costa? Sim, mas é difícil apostar todas as fichas num jogador que está baleado. Já o Koke, que fez uma temporada fantástica pelo Atlético de Madrid, é uma aposta mais segura. O jovem meia deve ser utilizado com mais frequência do que se imaginava há algum tempo atrás justamente por causa da fraca preparação física de Xavi. Koke é tratado como o sucesso do lendário camisa 8 da Espanha e, inclusive, já atraiu todas as atenções do Barcelona.

Injustiçados: Isco, Álvaro Negredo e Roberto Soldado. O jovem meio-campista do Real Madrid ficou de fora da lista de Vicente del Bosque devido a grande concorrência em sua posição. Como Fabregas, Mata, Silva e Cazorla estão num patamar acima, seria difícil ver o Isco sobrepujar algum desses craques. Negredo e Soldado sofreram com a naturalização de Diego Costa, porém, mesmo com a convocação iminente desse ótimo centroavante daria para encaixar, especialmente o atacante do Manchester City, no lugar de algum volante ou até no lugar do Villa. Opções são opções.

Curiosidades:
- O QI de Piqué é de 140, números de um gênio.
- Sergio Busquets é filho de Carles Busquets, e, ao contrário do pai, essa será a segunda vez que o volante disputará uma Copa do Mundo. O ex-goleiro do Barcelona nunca fora convocado.
- Xabi Alonso é fanático por rock alternativo.
- A seleção espanhola de 2014 é mais velha e mais baixa que a seleção espanhola de 2010.
- A Espanha é uma das seleções que mais enfrentou o Brasil na fase de grupos, sendo que foram três encontros (1962, 1978 e 1982)
- Dentre as seleções que já conquistaram o caneco, a Espanha é a que mais caiu na primeira fase. Foram quatro eliminações na fase de grupos, onde na maioria das vezes terminou na terceira posição.












Jogador-chave: Robben. Do triunvirato de ouro da Holanda, Robben é o jogador que está mais inteiro e disputando jogos competitivos ao longo do ano. Desde 2010, Sneijder, Van Persie e Robben se tornaram nas grandes esperanças laranjas para os torneios subsequentes. No entanto, Sneijder preferiu o dinheiro ao invés das grandes ligas e acertou com o Galatasaray. Van Persie, que trocou o Arsenal pelo Manchester United, viveu uma temporada incrível em 2012/2013, porém, se machucou seriamente no meio desta temporada e vem pro Brasil baleado. Robben continua o mesmo, sempre cortando para a esquerda e batendo em curva. A jogada é manjada, mas como se para marcar um cara tão rápido e habilidoso?

Preocupação: juventude. A seleção holandesa vem muito rejuvenescida para essa Copa do Mundo em relação à 2010. Muito se deve às lesões de última hora, caso de Van der Vaart e anteriormente de Strootman e Van der Wiel. Para os lugares desses jogadores foram chamados Stefan de Vrij para lateral-direita, Daley Blind, que deixou de ser lateral-esquerdo para virar volante (daí convocaram o jovem lateral-esquerdo Daryl Janmaat, do Feyenoord) e o Georginio Wijnaldum, do PSV. A média de idade da Holanda é de 25 anos, porém, há muitos jovens em setores perigosos como a defesa, por exemplo.

Aposta: Bruno Martins Indi. O jovem zagueiro nascido em Portugal e com tripla nacionalidade é a grande aposta da Holanda. Indi é filho de guineenses, mas se declarou holandês quando foi morar com os pais mesmo após ter nascido em Barreiro, em Portugal. Com 1,84m, Bruno Indi é extremamente forte no desarme e tem muito pique na marcação. Além disso, o holandês é rápido e pode fazer a lateral-esquerda.

Ficaram de fora: Jetro Willems, Ola John, Siem de Jong, Adam Maher e Luuk de Jong. Se a situação da Holanda já é de desconfiança por causa da idade, imagina se Jetro Willems (20 anos), Ola John (22 anos), Siem de Jong (25 anos), Adam Maher (20 anos) e Luuk de Jong (23 anos) fossem convocados? Por incrível que pareça, todos eles participaram das eliminatórias, porém, a maioria deles foram cortados por falta de experiência.

Curiosidades:
- Georginio Wijnaldum é SOBRINHO do Royston Drenthe, que jogou no Real Madrid por algum tempo. Detalhe, a diferença de idade entre os dois é de QUATRO ANOS.
- Daley Blind, lateral-esquerdo e volante da Laranja, é filho de Danny Blind, ex-lateral esquerdo do Ajax e da seleção holandesa. Se não bastasse esse laço pai e filho, Danny é um dos auxiliares de Louis Van Gaal nessa Copa.
- Jonathan de Guzmán, meio-campo reserva da seleção, nasceu em Ontário, no Canadá, e chegou a jogar nas categorias de base da fraquíssima seleção canadense. Jonathan é irmão de Julian, que resolveu permanecer com a nacionalidade de seu país de origem.
- Somente Bruno Martins Indi e Jonathan de Guzmán nasceram em outro país. Porém, contando com os dois, a Holanda possui NOVE jogadores de dupla nacionalidade. A maioria deles são filhos de surinameses.
- Patrick Kluivert, lendário atacante do Ajax e Barcelona - e atacante titular da Holanda em 1998 -, é, ao lado, de Danny Blind, o outro auxiliar de Louis Van Gaal.
- Apenas sete jogadores dessa seleção holandesa estiveram na África do Sul: Michael Vorm, Nigel de Jong, Wesley Sneijder, Dirk Kuyt, Arjen Robben, Robin Van Persie e Klaas-Jan Huntelaar.
- A Holanda é tri vice-campeã (1974, 1978 e 2010). Se a Laranja chegar à final em 2014, ela será a primeira seleção a ser tetra vice-campeã e, pior, fazendo "parzinho". 











Jogador-chave: Arturo Vidal. Mais um jogador que vem baleado para a Copa do Mundo. Entretanto, Vidal, o segundo jogador mais importante da Juventus, parece estar recuperado do incômodo na perna. O "volante moderno" de Sampaoli terá o papel fundamental de criar as jogadas mais agudas da seleção Roja, que também depende muito das jogadas verticais de Alexis Sanchez.

Preocupação: time dos 7 anões. A seleção chilena possui um grande problema, e não é o Grupo da Morte. O grande problema chileno é a baixíssima média de estatura da equipe, que é a menor da Copa (média de 1,76m). Para se ter uma ideia, Sampaoli deve iniciar com Gary Medel na zaga, que é volante de origem e tem apenas 1,72m!

Aposta: Felipe Gutiérrez. O jovem meia de 23 anos do Twente é o jogador mais jovem convocado por Jorge Sampaoli para a seleção chilena. Com uma seleção experiente e bem treinada, Gutiérrez deve entrar para dar mais movimentação no meio-campo. Sua principal qualidade é o passe.

Ficaram de fora: David Pizarro e Humberto Suazo. A desculpa utilizada por Sampaoli por não ter convocado os dois jogadores foi a idade avançada de ambos: Pizarro tem 35 anos e Suazo 33 anos. Apesar da média de idade ser de 27 anos, o Chile poderia contar, especialmente, com Suazo. O ex-atacante da Roja dá mais profundidade e presença de área que qualquer outro jogador convocado por Sampaoli.

Curiosidades:
- O Chile vai para a sua nona participação em Copas. A melhor participação da Roja foi quando ela chegou às semi-finais em 1962, quando foi anfitriã, e fora eliminada pelo Brasil por 4x2. Os chilenos tornaram a cruzar o caminho brasileiro em mata-matas por mais duas oportunidades, ambas pelas oitavas-de-final, quando perdera por 4x1 em 1998 e por 3x0 em 2010.
- Sampaoli convocou dois jogadores que atuam na segunda divisão inglesa: Gonzalo Jara (Ipswich Town) e Jean Beausejour (Wigan).














Jogador-chave: Mile Jedinak. Qual o jogador mais famoso da Austrália? É óbvio que a resposta seria Tim Cahill, que por muito tempo defendeu as cores do Everton. Entretanto, um nome começou a brilhar, mesmo que timidamente, entre os Socceroos. Mile Jedinak é o típico volante clássico da Premier League, onde atua pelo Crystal Palace há mais ou menos quatro temporadas. Filho de croatas, Jedinak resolveu defender o país onde nasceu para ter mais chances de disputar competições internacionais.

Preocupação: inexperiência. Pode não parecer, mas a Austrália é uma das seleções mais jovens desse torneio, tendo uma média de idade de 25 anos. O setor que mais está recheado de jovens é o ataque, sendo que 4 dos 5 jogadores nasceram entre 1991 e 1993.

Aposta: Matthew Leckie. Dentre esses quatro jogadores jovens que compõe o ataque australiano, Matthew Leckie, que joga pelo Frankfurt, é o que promete mais. Ao estilo Mark Viduka, Leckie é um jogador de área que pouco teme trombar com o zagueiro adversário.

Ficou de fora: Mark Schwarzer. Parece cruel, mas Mark Schwarzer ficou mesmo de fora da convocação do Ange Postecoglou após anunciar sua aposentadoria.

Curiosidades:
- Os Socceroos vão para sua quarta Copa do Mundo. A primeira foi em 1974 e, desde 2006 eles não perderam uma edição de Copa.
- A maioria dos jogadores australianos atuam no próprio país. Ao todo, são sete jogadores originários da terra do canguru na seleção.
- Dentre os convocados, quatro jogadores estão atuando por times de segunda divisão: Bailey Wright (Preston North End), Massimo Luongo (Swindon Town), Matthew Leckie (Frankfurt) e Ben Halloran (Fortuna Dusseldorf).



Grupo C










Jogador-chave: James Rodriguez. Responsável por armar uma seleção que promete muito, James Rodriguez possui uma chance de ouro de marcar o seu nome no futebol. Tratado como joia desdes os tempos de Banfield e, em seguida, pelo Porto, o meia colombiano é muito habilidoso. Seus principais fundamentos são o chutes fortes e o passe milimétrico.

Preocupação: desleixo na marcação. José Pékerman sabe que sua equipe é muito ofensiva e jovem. Entretanto, mesmo sendo desleixada na marcação, a seleção colombiana possui uma joia no setor defensivo. O principal problema na marcação reside nos volantes, que são ótimos para criar, porém, são igualmente fracos para marcar.

Aposta: Balanta. O excelente zagueiro do River Plate está em alta no futebol. Cobiçado por times da América do Sul (Santos) e um monte na Europa (Porto, Mônaco e Chelsea são alguns deles), Balanta é muito seguro na marcação e muito rápido no bote. O seu único defeito é a baixa estatura para um zagueiro (1,82m).

Ficou de fora: Macnelly Torres, Luis Muriel e Carlos Quintero. A dor de Falcão Garcia, que ficou fora da Copa depois de não conseguir se recuperar à tempo, é compatível à dor de Macnelly Torres, Luis Muriel e Carlos Quintero, que ficaram de fora por opção de José Pékerman. O primeiro ficou de fora porque está atuando no Mundo Árabe, onde pouco se joga futebol. O segundo ficou e fora porque Pékerman não confia em sua capacidade de concentração. Já o último ficou porque em sua posição a Colômbia está bem servida.

Curiosidades:
- Antes dessa Copa, a Colômbia só havia participado de quatro edições do Mundial e, infelizmente, só se classificou para a segunda fase uma vez, em 1990, na Itália. Nessa edição, Higuita, um dos maiores nomes do país no futebol, foi o culpado pela eliminação diante de Camarões quando tentou driblar o atacante Roger Milla e perdeu a bola, deixando o gol escancarado para o veterano marcar o gol da eliminação fatídica.
- Mondragón, o veteraníssimo goleiro de 42 anos, será o jogador mais velho a jogar essa Copa. O goleiro colombiano esteve na Copa de 1994 e 1998.
- O time que mais cedeu jogadores para a seleção colombiana foi o River Plate com 3 jogadores (Balanta, Carbonero e Teófilo Gutiérrez).













Jogador-chave: Kostas Mitroglou. A pragmática e chata seleção grega deposita suas poucas chances de ir longe no atacante-trombador, Kostas Mitroglou. Apesar de ter sido rebaixado junto com o Fulham, Mitroglou goza de muito respeito na Grécia, pois durante muitos anos ele foi o principal artilheiro do campeonato grego, quando atuava pelo Olympiacos.

Preocupação: movimentação. A falta de técnica é o grande detalhe nessa equipe grega, que aposta todo o seu futebol nos velhinhos Karagounis e Katsouranis. Velha e praticamente imóvel, a Grécia será a principal candidata ao prêmio de melhor "Muricybol".

Aposta: Kostas Manolas. Rápido e forte, essas são as principais qualidades da nova promessa do Olympiacos. O lateral-esquerdo Kostas Manolas é tido como a principal promessa do futebol grego.

Ficou de fora: Sotiris Ninis e Charis Mavrias. Ninis esteve na África do Sul, quando era um dos jogadores mais jovens daquele Mundial. Entretanto, após cair muito tecnicamente ele ficou de fora dessa edição. Mavrias, que joga no Sunderland, pouco atuou durante a temporada inglesa e por esse motivo ficou de fora também da convocação.

Curiosidades:
- Essa é apenas a terceira participação da Grécia na Copa do Mundo.
- A Grécia é uma das seleções mais caseiras dessa edição, contando com nove jogadores que atuam na liga grega.




Jogador-chave: Yaya Touré. Após mais uma temporada estratosférica pelo Manchester City, onde sagrou-se campeão inglês, Yaya Touré vem para o Mundial com muita moral e respeito dos adversários. Touré sabe jogar em todas as posições do meio-campo e, mesmo com muitas tarefas, o jogador ainda arranja espaço para marcar muitos gols. Ele é um perigo constante.

Preocupação: defesa. Com um goleiro baixinho (Barry), um volante improvisado como zagueiro (Zokora), com Kolo Touré baleado e uma promessa que está em dívida com um clube (Serge Aurier), é assim que a Costa do Marfim monta sua defesa para esse Mundial. Se não fosse por ela, o caminho dos marfinenses nas eliminatórias não teria sido tão turbulento.

Aposta: Serge Aurier. Revalado pelo Toulouse, Aurier está ávido por uma transferência para a Premier League. O jogador, inclusive, já está apalavrado com DOIS times ingleses ao mesmo tempo. Rápido e bom marcador, Aurier tem tudo para ser um lateral de muito sucesso.

Ficou de fora: Emmanuel Eboué e Seydou Doumbia. Ambos os jogadores ficaram de fora da seleção marfinense por problemas de relacionamento com Lamouchi, que não confia no "poder de vestiário" dos dois.

Curiosidades:
- Drogba, Gervinho e Romaric falam português.
- A Costa do Marfim é a única seleção africana desta Copa que não tem jogadores atuando em seu continente.













Jogador-chave: Shinji Kagawa. Mais um jogador que atuou pelo Manchester United nesta temporada que não foi bem. Apesar disso, Kagawa, que vive a expectativa de voltar ao Borussia Dortmund, é um jogador de muita técnica e movimentação. O drible, outra faceta do japonês, pode ser o tempero que falta aos nipônicos.


Preocupação: estatura. Assim como o Chile, o Japão também sofre bastante com a estatura de sua equipe. Com apenas 1,78m de altura, os japoneses vão sofrer demais com o chuveirinho dos gregos e marfinenses nesse grupo.

Aposta: Gotoku Sakai. O ótimo lateral-direito japonês que atua pelo Stuttgart é a síntese do futebol moderno. Além de atacar muito bem, Sakai sabe marcar fortemente o adversário. Alto, o japonês faz uma de zagueiro quando Zaccheroni precisa.

Ficou de fora: Hajime Hosogai, Mike Havenaar e Takashi Usami. Hosogai ficou de fora por causa da condição física desprivilegiada. Já Havenaar, que é holandês, foi excluído após péssima campanha pelo Japão durante a Copa das Confederações. Usami, que era apontado como grande revelação japonesa, inclusive jogou pelo Bayern, caiu no ostracismo devido ao péssimo momento que vive.

Curiosidades:
- Desde 1998, quando o Japão disputou pela primeira vez uma Copa, que os nipônicos não deixam de disputar um Mundial.

- O Japão classificou-se duas vezes para a segunda fase (2002 e 2010) e em ambas as vezes eles foram eliminados nas oitavas.

Deixe um Comentario

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

Postagens populares

Total de visualizações

Seguidores

Tecnologia do Blogger.

Ads 468x60px

- Copyright © Trama Futebol Clube -- Traduzido Por: Template Para Blogspot